top of page
  • Cissa

Registros Vocais

...e como a laringe funciona.


Eu acredito que, por mais iniciante que você seja nessa coisa de cantar, você já tenha ouvido alguma vez sobre registros vocais. Talvez esse seja o motivo que fez você procurar e encontrar esse blog ou pode ser que você seja somente uma pessoa que lê meu blog por outros motivos e esse post seja só mais um assunto interessante pra saciar a curiosidade.


Cada estética ou didática tem seu palpite e um jeito próprio de classificar as vozes. E eles são muitos, voz de cabeça, voz de peito, voz mista, no belting ainda tem outros subtipos que são classificados conforme a extensão e o tipo de ressonância usada. O fato é que, se eu disser “falsete” cada pessoa terá uma imagem bem específica sobre o que é e como fazer, nem sempre essa imagem vai nos fazer chegar a um consenso e muito provavelmente alguém sairá da discussão mais confuso do que entrou.

Eu dei aqui o exemplo do falsete, algumas pessoas acreditam que o falsete é uma região, uma extensão de notas feitas na prega vocal (inclusive é essa definição que você encontra lá na wiki), no entanto é possível fazer sons nesta mesma região que, para muitos ouvidos, não será associado ao que conhece por falsete. Desde que comecei a estudar melhor sobre fisiologia, acústica e antropofisiologia vocal, percebi que os nomes pouco importam se você não souber o que está fazendo.


Agora vamos ao que interessa, o real assunto deste post. Aliás, esse deveria ter sido o título, mas eu não chamaria a sua atenção, não é mesmo? No fim das contas você vai entender meu ponto aqui.


Quero que você conheça…


Os mecanismos de controle e manipulação do som vocal Existem controles de pressurização e entonação que usamos o tempo todo para cantar (e falar). Na grande maioria das pessoas, essas escolhas são instintivas e até mesmo culturais, resultando na forma como essa pessoa fala ou canta e gerando o conceito já ultrapassado de “voz natural”. No entanto, esses controles são manipuláveis e nos dão uma gama enorme de possibilidades vocais, quase infinitas eu diria.


Basicamente vamos falar aqui de 3 deles: a respiração, a laringe (fonte) e a ressonância (filtro). (Como sempre tem um roteirinho de estudos no final.)

Controle do suporte respiratório


Esse não é difícil de entender. O queridinho da técnica vocal tradicional e não sendo à toa, é um controle bastante importante, porém não é a única preocupação na hora de cantar.

Quando se fala de respiração, na realidade estamos falando de controle sobre como o ar entra e sai do corpo. A grande diferença de um ciclo respiratório normal está principalmente na saída do ar. Precisamos manter o fluxo de saída em uma pressão ideal para o que desejamos que nossa laringe faça, ou seja, vai depender do tipo de som que estamos tentando produzir.


Por exemplo: na bossa nova temos um estilo de canto muito suave e introspectivo, esse é o melhor exemplo de uma voz com laringe menos contraída e de som menos metálico (menos intenso digamos assim). Para este tipo de som, precisamos de uma pressurização de ar mais leve, esse é o tipo de voz que costuma sair com facilidade já que pessoas menos treinadas conseguem acessar mais facilmente. Também é a voz dos tímidos, falaremos disso no próximo item. Controle da laringe


A nossa laringe é cheia de músculos com múltiplas funções, a mais vital delas é a proteção se fechando para não deixar passar coisas para o lugar errado. Quando pressurizada pelo ar ela emite sons. Temos músculos específicos para entonar regiões de notas diferentes, saber quais são ou como acessá-los pode fazer diferença na hora de atingir as desejadas notas agudas ou o grave que não chega. Os limites e usos são iguais para todo mundo, vozes agudas ou graves, sopranos e barítonos, com algumas ressalvas, insignificantes para o canto popular que é o que nos interessa aqui.


Não conseguiria abordar aqui sobre os todos os músculos que fazem a entonação de notas, é um assunto bem complexo que deve vir em outro texto. Mas precisamos falar sobre o músculo vocal, aquele que a gente chama de prega vocal ou cordas vocais. Esse é o músculo mais importante para o nosso assunto aqui porque é através dele que “mudamos” nossa voz de um som leve ao um som firme mais metálico e vice versa. Esse músculo quando contraído, traz uma característica de dureza do som. Usando o exemplo acima, uma voz mais bossa nova usa esse músculo predominantemente passivo, sem contração. Eu chamo de a voz dos tímidos porque é uma voz mais recolhida, leve, mas atenção, estou aqui generalizando muito o conceito.


Vou deixar dois exemplos pra você ouvir https://youtu.be/6TR01-5XPoo?t=11 - vocal solto https://youtu.be/-huNrHAou-E?t=184 - vocal metálico, contraído


Controle da ressonância (filtro)


A ressonância é o mais sutil dos controles e também o mais complexo. Controlar a ressonância é modificar espaços acima da laringe (língua, palato, pilares laterais) para que o som soe de maneiras diferentes. A tendência é de que o som fique mais estridente e agudizado à medida que os espaços diminuem, mas essa estridência não é simples de classificar já que existem várias maneiras de diminuir os espaços manipulando as estruturas. Uma dica é começar pelo mais simples, o palato. Palato mais curvado terá mais harmônicos graves soando e palato baixo mais harmônicos agudos.


Dois exemplos pra você ouvir:


Todos estes controles precisam de treino isolado para se fortalecerem, assim você conseguirá montar o seu som usando as técnicas vocais que você quiser para se expressar e fazer música.

Talvez esse não seja o post definitivo onde você vai aprender a treinar esses controles, mas é o ponto inicial para compreender que a voz é complexa e muitas vezes não cabe em um conceito fechado de registro vocal ou classificação vocal, tudo é discutível menos a fisiologia, essa simplesmente existe e está aí para ser destrinchada, analisada e, por fim, manipulada por você.



Roteiro de estudo

Registros vocais são termos usados para facilitar o entendimento, mas muitas vezes podem gerar confusão por conta de diferentes abordagens didáticas, então foco no “como faz” e não nos nomes. Vamos ao resuminho:


  • foco nos controles: tente entender como a voz funciona para além dos conceitos

  • suporte respiratório é principalmente sobre como o ar sai, é ele que estabiliza a laringe para que ela faça o seu trabalho

  • é na laringe que as notas acontecem, também é onde temos o músculo vocal, ele não entona notas efetivamente, mas modifica o som deixando mais firme ou mais leve a depender do que queremos tecnicamente

  • os espaços dentro da boca e paredes da laringe são importantes modificadores do som, quanto menor o espaço, mais estridência e mais pressão contra a musculatura, por isso é bom cuidar o excesso de volume


Se esse post te ajudou, mande uma mensagem, compartilhe seu estudo comigo marcando o @estudacanto nas redes sociais.

Vou adorar te ouvir.


Até o próximo eclipse!



0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Extensão Vocal: senta que lá vem história

Neste post vou contar um pouco sobre como melhorei minha extensão vocal. Extensão vocal é um dos maiores desafios de quem está começando a cantar ou estudar canto com mais dedicação. Isso porque nos a

Quem tem medo do vocalize...

Você sabe o que é um vocalize? Chamamos de vocalize qualquer frase cantada com ou sem letra e essa é a ferramenta mais importante no estudo de canto, seja no treinamento clássico/erudito, seja no cant

Uma jornada de autoconfiança

Olá pessoas! Como sempre, trago um pouquinho das minhas experiências de aprendizado pra você que ainda lê este blog falido. Nos últimos meses eu tenho estudado violão de maneira um pouco mais sistemát

Comments


bottom of page